29.7.09

CICLO DE CINEMA AO AR LIVRE | ZIDANE

© direitos reservados

ZIDANE, A 21ST CENTURY PORTRAIT de Douglas Gordon

O Ciclo de Cinema ao Ar Livre da 31ª edição do festival Citemor reúne obras assinadas por artistas que têm desenvolvido a sua actividade primordialmente nas artes plásticas, onde se distinguiram.

O filme que abre o ciclo é “Zidane – um retrato do século XXI”, realizado por Douglas Gordon e Philippe Parreno. Estreou no festival de cinema de Cannes e tem sido exibido no circuito comercial, tendo sido também concebida uma instalação para o circuito de galerias e museus.

Tanto o genérico inicial como os créditos finais do filme jogam com as letras que formam a palavra ZIDANE, sobrepondo-as e fazendo-as desaparecer, contra um fundo pixelado. Zinedine Zidane, de origem argelina, foi motivo de reflexão sobre questões de raça e identidade nacional, enquanto rosto destacado da França e do seu futebol. A sua aparente impenetrabilidade suscitou análises diversas. Passa por aqui a questão principal deste objecto: a possibilidade ou a impossibilidade da apreensão e identificação da figura do protagonista.

Filmando com 17 câmaras, incluindo 2 especialmente desenvolvidas para o Departamento de Defesa dos EUA, os autores centram-se no protagonista e na sua concentração na bola que está na sua posse apenas alguns minutos do total da duração do jogo. É a fisicalidade do jogador que está em foco, em tensão com o meio envolvente do estádio, com o seu relvado, os outros jogadores, os espectadores, as mensagens publicitárias. Estas surgem logo desde o início inserindo o jogador e o seu valor numa lógica económica, tal como o futebol. Reforçam também, a par de elementos como as imagens e comentários televisivos, o aspecto de mediatização deste desporto e dos seus protagonistas. Se Zidane é uma imagem e a sua presença é quase total, paradoxalmente, aqui, essa totalidade mais conduz ao seu desaparecimento enquanto identidade.

Não se aposta aqui numa estratégia de documentário que quer dar a conhecer o seu objecto nem numa lógica de retrato que expressa a interioridade do retratado. Este retrato será do século XXI não só porque o aparato tecnológico que o viabiliza só agora existe mas também porque este início de século confirmou a progressiva mediatização do real que se manifesta numa saturação das imagens.

Poderá quase ver-se Zidane como o outro absoluto. Ele cospe, funga, bate os pés contra o relvado num movimento que evoca um cavalo, tenta comunicar quase monossilabicamente com os colegas. Os seus sons contra a massa sonora envolvente fazem ressaltar a solidão de quem não consegue controlar o curso do jogo; tal como as suas frases escritas, mais do que permitirem conhecê-lo. Nós estamos com ele, muito perto dele. Na parte final, os grandes planos que se aproximam cada vez mais do seu rosto ocupando quase todo o ecrã, vão-se impondo no ritmo da montagem. O sorriso aberto que o seu rosto exibe por fim, na sequência de uma piada partilhada com Roberto Carlos, parece abrir uma porta para entrarmos dentro dele. Mas a irrupção da raiva e da agressividade que se segue – é inevitável lembrarmo-nos da cabeçada que Zidane desferiu em Marco Materazzi na final da Taça do Mundo de 2006 – logo vem reafirmar Zidane como o outro que não compreendemos, que não lemos. Nós estamos com ele mas ele é inacessível, inapreensível.

O filme, igualmente, resiste a ser catalogado enquanto género ou inserido numa área artística específica. Zidane refere que não se lembra nunca de um jogo como uma experiência em tempo real. Este seu retrato parte da realidade para devir uma outra coisa; através da manipulação de imagens, sons e silêncios são-nos propostos uma experiência e um tempo outros.

Francisco Camacho



Ficha técnica

Titulo original: Zidane, un portrait du 21e siècle
Género: Documentário
Duração: 90 minutos
Ano de lançamento: 2006
Estúdio: Anna Lena Films | Kanzaman | Love Streams Productions | Canal + | arte France Cinema
Direcção: Douglas Gordon | Philippe Parreno
Produção: Sigurjon Sighvatsson | Anna Vaney | Victorien Vaney
Música: Mogwai
Edição: Hervé Schneid

Elenco:

Zinédine Zidane
David Beckham